barroco@barroco.ind.br | Tel: 11 4611-0030 | 3884-5046 | 99906-0455

Madeiras






Oferecemos soluções em madeira de demolição e madeira nova. Se você está construindo ou reformando, conte com a Officina Barroco.
Abaixo colocamos informações e curiosidades sobre os tipos de madeira.

Conheça abaixo alguns tipos de madeira.

Eucalipto Tratado

Árvore da família das Mirtáceas, o eucalipto é nativo da Oceania, onde é a espécie dominante da flora local. Com mais de 700 espécies, a maioria de origem australiana, adapta-se praticamente a todas as condições climáticas. Sua copa possui folhagem persistente, cujas folhas são cobertas por glândulas que segregam óleo e, quando jovens, são opostas, entre arredondadas e ovais. Com um ou dois anos de crescimento, essas folhas passam a apresentar uma nova forma, alternando entre lanceoladas e falciformes, estreitas e pendidas a partir de longos e recém-surgidos pecíolos, isso ocorre na maioria das espécies de eucalipto. Um fato curioso relacionado à folhagem do eucalipto é que, enquanto as folhas adultas não surgirem, essas árvores não florescerão.

A casca destas árvores, ou o súber, possui um ciclo anual e pode ser classificada como lisa ou enrrugada. A troca desta casca se diferencia de acordo com o tipo sendo que, enquanto a casca lisa cai praticamente por inteiro, deixando uma superfície plana e manchada, a casca enrrugada seca lentamente agarrada ao caule persistentemente. As cascas enrrugadas podem ser fendidas, duras, tessaladas, em cofre ou faixa.

As de casca fendida possuem longas fibras e um ritidoma espesso e de textura esponjosa, enquanto que as de casca dura são de aspecto rugoso e profundamente fendido, cujo ritidoma é geralmente saturado por uma resina produzida pela planta, um fenômeno que lhe dá uma coloração vermelha escura, quase negra. As tesseladas têm a casca fragmentada, lembrando um mosaico e semelhante à cortiça, cujos fragmentos caem com o tempo. Já as cascas em cofre, compostas por fibras de curta dimensão, apresentam em alguns casos uma tesselação e, as em faixa, ainda que com certa aderência em determinados pontos do caule, saem na forma de peças longas e estreitas, que podem ser faixas, fitas resistentes ou em pedaços encaracolados.

Além das excelentes qualidades mecânicas, o eucalipto apresenta ainda retidão no fuste, cor clara, não fendilham e permitem acabamento. Soma-se a isso características como rápido crescimento volumétrico e potencialidade para produzir árvores com boa forma, facilidade a programas de manejo e melhoramento, elevada produção de sementes e facilidade de propagação vegetativa; além de uma ótima adequação aos mais diferentes usos industriais e ampla aceitação no mercado.

Do eucalipto pode ser produzido a celulose; extraídos óleos essenciais, com os quais são fabricados produtos de limpeza, alimentícios, perfumes e remédios, tábuas, sarrafos, lambris, ripas, vigas e postes, entre outros produtos.

Por Marcelo Oliveira

http://www.infoescola.com/plantas/eucalipto/

Pinho De Riga

O pinho de riga (Pinus sylvestris) é uma árvore originária do norte da eurásia e que recebe seu nome da cidade de Riga, na Letônia, importante porto do mar Báltico por onde foi exportada largamente para todo o mundo.

Sua madeira clara, de veios marcantes, é característica do gênero pinus. Porém os veios do pinho de riga são mais pronunciados que os das outras espécies desse gênero. Sua madeira é macia e resistente, tornando-a muito versátil.

No Brasil o pinho de riga é encontrado apenas em casarios e construções antigas pois foi muito utilizado na construção civil, como madeira para vigamentos entre outros fins,  até as primeiras décadas do século XX. As peças deste blog utilizam pinho de riga comprado em casas de artigos de demolição, bastante comuns em alguns pontos da cidade do Rio de Janeiro.

A madeira recebe um tratamento prévio, como raspagem e retirada de pregos, antes de poder ser reutilizada. Sem dúvida é uma das madeiras mais nobres para a arte do entalhe e da escultura.

Por Felipe Barreto

http://felipebarretoart.blogspot.com.br/2012/05/madeira-pinho-de-riga.html

Perobinha Do Campo

Nome científico: Paratecoma peroba.

Outros nomes populares: ipê-claro, ipê-peroba, ipê-rajado, peroba-branca, peroba de campos.

Ocorrência: Brasil: Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

  •  Características: cerne variando de amarelo-acastanhado ou amarelado ao pardo-acastanhado, às vezes apresentando veios mais escuros, cheiro e gosto imperceptíveis, densidade média, grã direita a ondulada, textura média.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

  • Durabilidade natural: Em observações práticas, é considerada de durabilidade satisfatória quando em condições favoráveis ao apodrecimento.
  • Tratabilidade: deve apresentar baixa permeabilidade às soluções preservativas, mesmo quando submetida à impregnação sob pressão, devido à obstrução dos vasos.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

  • Trabalhabilidade: A madeira de perobinha pelas suas características é considerada de trabalhabilidade fácil.

 

USOS

Construção civil:
• Pesada interna: vigas, caibros.
• Interna decorativa: lambris, forros, rodapés, painéis.
• Interna estrutural: ripas.

  • Assoalhos: tábuas, tacos.
  • Mobiliário:
  • Alta qualidade: móveis finos.
  • Outros usos: decoração e adorno, lâminas decorativas, embarcações (coberturas, pisos, forros), degrau de escadas singelas ou extensíveis, peças encurvadas ou curvadas, artigos de esporte e brinquedos, transporte, tanoaria.

* Fontes: Ibama, IPT.

Peroba Rosa

Nome científico: Aspidosperma polyneuron.

Outros nomes populares: amargoso, peroba, peroba-açu, peroba-amarela, peroba-do-sul, peroba-mirim, peroba-rajada.

Ocorrência: Brasil: Mata Atlântica, Bahia, Espírito Santo, Góias, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo.
Outros países: Argentina, Paraguai.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

  • Características: alburno indistinto, cerne róseo quando recém cortado passando a amarelo-rosado com o tempo, uniforme ou com veios mais escuros, sem brilho, cheiro imperceptível e gosto ligeiramente amargo, densidade média, moderadamente dura ao corte, grã direita ou revessa, textura fina.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

  • Durabilidade natural: As informações disponíveis na literatura são controversas em relação à durabilidade natural do cerne de peroba-rosa. Observações feitas pelo IPT em exame de estruturas de cobertura, complementadas por ensaios de laboratório, permitem considerar esta madeira como de moderada resistência aos cupins e com baixa a moderada resistência aos fungos apodrecedores. Dormentes dessa madeira, sem tratamento preservante, apresentam uma vida útil média de seis anos. A peroba-rosa é susceptível ao ataque de perfuradores marinhos.
  • Tratabilidade: Apresenta baixa permeabilidade às soluções preservantes.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

  • Trabalhabilidade: A peroba-rosa é moderadamente fácil de ser trabalhada, porém pode apresentar certa dificuldade quando ocorre grã revessa. Permite bom acabamento e é fácil de colar.
  • Secagem: Na secagem em estufa, a ocorrência de rachas é baixa, entretanto, podem ocorrer empenamentos.

USOS

Construção civil:

  • Pesada externa: dormentes ferroviários, cruzetas.
  • Pesada interna: tesouras, vigas, caibros.
  • Esquadrias: batentes, janelas, venezianas, portas.
  • Assoalhos: tábuas, tacos, parquetes.

Mobiliário:

  • Utilidade geral: móveis rústicos, carteiras escolares.Outros usos:
  • transporte, peças encurvadas ou curvadas, embalagens.

* Fontes: Ibama, IPT

Cumarú

Nome científico: Dipteryx odorata, Leguminosae.

Outros nomes populares: camaru, camaru-ferro, cambaru, cambaru-ferro, champanha, cumaru-amarelo, cumaru-da-folha-grande, cumaru-escuro, cumaru-ferro, cumaru-rosa, cumaru-roxo, cumaru-verdadeiro, cumbari, cumbaru-ferro, muirapagé.

Ocorrência: Brasil: Amazônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia.
Outros países: América Central, Bolívia, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname, Venezuela.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

  • Características: Cerne e alburno distintos pela cor, cerne castanho-claro-amarelado; brilho moderado, cheiro e gosto imperceptíveis, densidade alta, dura ao corte, grã revessa, textura fina a média, aspecto fibroso atenuado, superfície pouco lustrosa.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

  • Durabilidade natural: O cerne apresenta alta resistência ao ataque de fungos apodrecedores e cupins. Em contato com o solo, esta espécie apresentou alta durabilidade aos fungos e foi considerada com durabilidade superior a 12 anos de serviço em contato com o solo. Apresenta baixa resistência, aos fungos marinhos.
  • Tratabilidade: impermeável às soluções preservativas; o cerne não é tratável com oleossolúvel e nem com hidrossolúvel, mesmo em processo sob pressão.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

  • Trabalhabilidade: O cumaru é difícil de ser trabalhado, mas recebe excelente acabamento no torneamento. Acabamento ruim nos trabalhos de plaina e lixa, é difícil de ser perfurado. Devido à natureza oleosa, a madeira apresenta dificuldade em ser colada. Aceita polimento, pintura, verniz e lustre.
  • Secagem: É relativamente fácil de secar ao ar, com pequena tendência a racha superficialmente, apresenta empenamento moderado. A secagem artificial é lenta, porém praticamente isenta de defeitos.

USOS

  •  Construção civil:
  •  Pesada: pontes, postes, mourões, estacas, esteios, cruzetas, dormentes ferroviários.
  • Telhados: vigas, caibros.]
  • Esquadrias: batentes.
  • Decorativa: forros, lambris.
  • Assoalhos: tacos, tábuas, parquetes, degraus de escada.
  • Mobiliário:
  • Alta qualidade: partes decorativas de móveis.
  • Outros usos: cabos de ferramentas, transporte, embarcações.

* Fontes: Ibama, IPT

Itaúba

Nome científico: Mezilaurus itauba (Meisn.)

Outros nomes populares: itaúba-abacate, itaúba-amarela, itaúba-grande,

itaúba-preta, itaúba-verdadeira, itaúba-vermelha, louro-itaúba.

Ocorrência: Brasil: Amazônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia.
Outros países: Guiana, Guiana Francesa, Suriname.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

  • Características sensoriais: cerne amarelo-esverdeado, quando recém serrado, tornando-se castanho-esverdeado-escuro; cheiro agradável, levemente adocicado, e gosto imperceptível; densidade alta; grã ondulada ou revessa; textura média; superfície irregularmente lustrosa.

DURABILIDADE / TRATAMENTO

  • Durabilidade natural: a itaúba é considerada de alta resistência ao ataque de fungos apodrecedores, cupins e xilófagos marinhos. Em experimento realizado em ambiente marinho foi moderadamente atacada por organismos xilófagos.
  • Tratabilidade: apresenta baixa permeabilidade às soluções preservantes. Ensaios com soluções hidrossolúveis, aplicados sob pressão, demostraram que o alburno é difícil de tratar e o cerne é refratário. A madeira é difícil de preservar, apresentando retenção de preservativos oleossolúveis.

CARACTERÍSTICAS DE PROCESSAMENTO

  • Trabalhabilidade: A madeira de itaúba é moderadamente difícil de ser trabalhada, tanto com ferramenta manuais como com máquina, devido à presença de sílica; porém permite bom acabamento.
  • Secagem: A secagem ao ar é lenta e difícil, porém sem causar alta incidência de defeitos. A secagem artificial é reportada como lenta, com ocorrência acentuada de rachaduras e moderada de empenamentos. Não há indicação de programas específicos para a Madeira de itaúba. 

USOS

Construção civil:

  •  Pesada externa: pontes, dormentes ferroviários, postes, cruzetas, defensas.
  • Interna: vigas, caibros, tesouras.
  • Esquadrias: batentes, janelas.
  • Assoalhos: tábuas, tacos.

Mobiliário:

  • Utilidade geral: móveis, partes internas de móveis inclusive daqueles decorativos.
  • Outros usos: implementos agrícolas, transporte, peças torneadas, embarcações (coberturas, pisos, forros).

* Fontes: Ibama, IPT